Oficina Cinco Minutos de Fama. No Máximo.

Oficina Cinco Minutos de Fama. No Máximo.
16/12/2014 Rua das Gaivotas 6

“A Rabbit Hole desenvolveu, durante pouco mais de quarenta horas, uma Oficina de Teatro com os alunos da USU – Universidade Sénior Unisaber, sendo esta iniciativa fruto da parceria com o DNA Lisboa e apoiada pelo programa BIP/ZIP da Câmara Municipal de Lisboa.
Foram ministradas sessões de enquadramento teórico sobre o método criativo que iríamos trabalhar com os alunos da USU, bem como algumas aulas de movimento e expressão corporal, algo que seria uma componente central do espetáculo. Passada esta fase inicial, demos inicio à segunda etapa de criação, onde os alunos propuseram pequenos exercícios, fruto de improvisações orientadas. Na terceira e última fase do processo a equipa artística traçou a linha dramatúrgica do espetáculo e procedeu à montagem do mesmo.
Este espetáculo trabalhou a consciência da temporalidade, propondo um jogo de ação e espera, que se debate com binómios passado-futuro e indivíduo-grupo, e onde os intérpretes procuram eternizar a sua presença em apenas cinco minutos.
A Rabbit Hole, representada neste projeto por João Estevens, Mafalda Miranda Jacinto e Mariana Vieira, considerou a primeira fase do projeto encerrada com as apresentações informais, que tiveram lugar nos dias 12, 13 e 14 de Dezembro, no estúdio da ACCCA. Em aberto, está a hipótese de reposição do espetáculo em meados de 2015.”

Rabbit Hole

“Rabbit Hole developed, for little over fourty hours, a Theatre Workshop with the students from USU – Universidade Sénior Unisaber, an initiative stemming from the association with DNA and supported by the BIP/ZIP programme from Câmara Municipal de Lisboa.
Theoretical framing sessions on the creative method we would be working on with the students from USU were ministered, as well as classes on movement and corporal expression, which would be a key component of the performance. After this initial phase, we began the second stage, in which the students proposed small exercises, resulting from oriented improvisations. In the third and last stage of the process the artistic team drew the dramaturgic line of the performance and proceeded to assemble it.
This performance worked on the conscience of temporality, proposing a game of action and wait, that struggles with the binomials past-future and individual-group, and in which the interpreters seek to eternalise their presence in just five minutes.
Rabbit Hole, represented in this project by João Estevens, Mafalda Miranda Jacinto and Mariana Vieira, considered the first stage of the project closed with the informal presentations, taking place on the 12th, 13th and 14th of December, at the ACCCA studio. On the table, is the possibility of a reposition of the performance in mid 2015.”

Rabbit Hole